Está rolando o mundial de surf do Rio, na praia de Grumari, e para você não ficar de fora, entender tudo o que acontece nesse esporte, o cenário UFF criou um guia do surfe com dicas, informações e um breve dicionário das gírias dessa tribo. Bora dropar juntos nessa onda?
A praia é o principal item dessa nossa lista, todo bom surfista deve entender como ela funciona para não se dar mal na hora de surfar. Antes de se jogar na água é preciso saber as condições de balneabiliade, para quem está começando é importante também verificar se há um posto de salva-vidas por perto, e respeitar todas as orientações do local. Normalmente nas reservas, locais de proteção ambiental, é proibido ascender fogo, garrafas de vidro, animais domésticos, som alto, pernoitar na areia, entre outras medidas que frequentemente estão escritas em placas na entrada da praia. Então, atenção e não seja um haole !!
Aliás, haole é aquela pessoa “forasteira”, que não é do surfe e que conta histórias como se fosse. Ou também pode ser aquele que não respeita o meio ambiente, deixa lixo na praia, e também aquele que não sabe surfar bem ; manda manobras feias, não tem um estilo de surfe bonito, e ainda rabeira outros surfistas. Opa! “Rabeirar?!!” Isso mesmo, rabeirar quer dizer quando você entra na onda em que já existia uma outra pessoa. È entrar na frente da onda do parceiro. Esse é um verdadeiro haole!! O “prego” da galera. Em línguas havaianas, significa “homem branco, caucasiano, qualquer estrangeiro, de origem estrangeira”. Etimologicamente significa “aquele que não respira”, pois os havaianos perceberam que os estrangeiros não respiravam 3 vezes após suas rezas, como manda a tradição.
Uma dica importante é saber se as ondas quebram em um reef break , point break ou beach break. Os primeiros normalmente são os mais perigosos, são locais onde o fundo do mar em que rolam as ondas são de corais (reef break) ou de pedra, como uma laje (point break). Apesar de mais perigosos, nesses tipos de onda a frequencia e as condições de surfe costumam ser melhores, pois são imóveis, não alteram sua forma, e consequentemente a forma das ondas. Já os beach breaks são os locais onde as ondas quebram em fundo de areia, daí as condições são mais inconstantes pois a posição do fundo muda de acordo com as correntezas. Os beach breaks são os mais comuns no Brasil.
Além do tipo de fundo é importante saber se vai ter swell. Swell vem do inglês ondulação, tempestade em alto mar, mas que para a gíria do surf, dizemos que tem swell quando há previsão de chegada de ondas boas na praia.E se não tiver swell, o mar fica flat. Ou seja, sem ondas. Agora, se o fundo estiver bom, tiver swell, e o vento for terral – vento vindo do continente em direção mar, o mar vai ficar clássico! Ou seja, teremos altas ondas, condições perfeitas para surfar.
Agora que você já entende um pouco sobre a praia e as ondas, é só pegar sua prancha e remar para o outside. Outside é o local onde os surfistas esperam a onda dentro do mar, fica atrás da onde as ondas quebram, da zona de rebentação – que é o inside. Mas antes você precisa descobrir se é um surfista goofy ou regular. O goofy é aquele que ao ficar em pé na prancha usa o pé esquerdo como base, ou seja, atrás na prancha; o regular é ao contrario, o pé direito é a base, fica atrás na prancha.

Quer descobrir se você é um goofy ou regular? Clique aqui.

Ao entrar na onda você vai perceber se vai ficar de frente ou de costas para ela. Isso se chama surfar de frontside ou backside. O surfista goofy, ao pegar uma onda para direita estará surfando de backside, para esquerda ele estará de front. Aos poucos você vai pegando o jeito e descobrindo qual é o seu estilo, melhorando seu preparo físico e percebendo qual é o melhor momento da onda para mandar aquela manobra!! À baixo listamos algumas das principais manobras do surfe, das mais simples as mais complexas. Mas não se esqueça, o mais importante desse esporte é se divertir! Viva esse lifestyle e se prepare para as vacas e caldos que te esperam. Calma, não é nenhum animal e nada de comer, vaca ou caldo é quando a onda pega o surfista quando ele tenta entrar na onda e não consegue dropar, tomando um verdadeiro sacode de baixo da água. A dica é não de desesperar, prender a respiração e deixar a onda passar e se preparar para a próxima! Acredite, vale a pena.
Drop – ato de descer a onda para surfar a parede ou ir reto na espuma depois que ela quebra.
Cavada – nesta manobra o surfista faz uma curva na base da onda para ganhar velocidade para ir à direção da crista, ao topo da onda.
Batida –  Consiste em ir em direção ao lip com velocidade, deixar o bico da prancha sair como se fosse dar um aéreo e voltar através de uma rasgada descendo a onda novamente.
Cut-Back – Consiste no ato de ir para a frente na parede, fugindo da espuma e fazer um movimento de reversão, voltando na direção da espuma.
Aéreo – Consiste no ato de ir em direção a parte de cima da onda com muita velocidade e, literalmente, levantar vôo executando algum tipo de movimento no ar, para completar a manobra com uma aterrissagem em pé (para valer), continuando na onda.
360 – manobra na qual o surfista vai em direção a parte de cima da onda, dá uma volta inteira em torno de si mesmo e completa o movimento indo para a mesma direção na qual ele estava indo inicialmente.
Tubo – uma das manobras mais clássicas do surf. Quando o surfista fica embaixo do ombro da onda entubado, pegando velocidade para sair de lá antes que a onda feche em cima dele.

Por: Mariana Farias

Anúncios