Por Fernanda Costantino e Luiza Barata

397100_256629961132802_1121691808_nEm tempos de wi-fi e tecnologias que parecem desafiar a realidade, há quem ainda prefira o antigo. Máquina de escrever, discos, filmes e câmeras analógicas saem do fundo do baú e passam a viver lado a lado com iphones, aplicativos e laptops. Mais do que saudosismo (às vezes de uma época não vivida), a cultura retrô é uma tendência presente no dia-a-dia de muita gente.

Vinícius Damazio é um dos apaixonados. O estudante de jornalismo da UFF coleciona discos em formato LP desde os 11 anos. Na época, Vinícius fazia de tudo para conseguir aumentar sua coleção.

“Nos anos de pré-internet e grana curta, eu juntava dinheiro de lanche e passagens de ônibus por semanas até conseguir comprar aquele disco que eu tinha lido em algum lugar. E assim a coisa evoluiu até agora, com discos espalhados por todos os cantos “, explicou.

A paixão começou quando viu uma capa do disco Tutu, do Miles Davis, exposta no quarto de um tio como se fosse uma obra de arte. O estudante explica que colecionar discos é sentir que “existe mais na música do que só música”. Para ele, os discos contam também com a capa e todo o aspecto visual, além das histórias por trás de uma cópia que já foi de alguém no passado.

“Pode ter uma dedicatória de aniversário na contra-capa, um encarte elaborado contando o perrengue que foi relançar aquela raridade, uma coleção fantástica que foi parar no sebo quando alguém se converte em religiões extremistas ou o próprio dono da loja se desfazendo de coisas da sua coleção. Tudo bem mais legal do que ficar na frente de um monitor baixando arquivos digitais “, disse.

A paixão é tanta que fez com que Tatiana Gadani criasse um blog para reunir tudo relacionado à cultura retro. Hoje, o blog se estendeu ao Facebook e passou a ser também atualizado por Rodrigo Lima, outro adorador do vintage. A página reúne quase 50 mil seguidores, que usam uma das mais modernas redes sociais para relembrar o passado que muitas vezes não viveram. Confira a entrevista com os administradores do Viva Retrô:

– Como surgiu a ideia da página?

Na verdade no início o Viva o retrô era um blog feito para compartilhar o meu fascínio pelo vintage e retrô, na intenção de aumentar as visitas do blog e divulga-lo criei a fã page no facebook, só não sabia o enorme sucesso que ela iria fazer, tanto que hoje em dia o blog está meio de lado e me dedico mas à página do que a ele, apesar de atualiza-lo de vez em quando.

– Por que a paixão pela cultura retrô? O que vocês mais gostam nela?

Minha paixão pelo retrô começou com as pin ups, me informei sobre suas histórias e comecei a assistir alguns filmes da década de 40/50/60, foi paixão imediata, esse foi um passo muito grande, pois quanto mais eu pesquisava, mais me identificava, comecei a gostar de tudo relacionado ao tema, decoração, história, filmes, biografias, músicas e etc., hoje em dia o meu grande sonho ainda é montar uma casa completamente decorada com o estilo vintage da década de 60. Minha paixão pelo cinema também ajudou muito na construção da página, não só o cinema “old school hollywood” mas o cinema atual também, isso faz com que eu me dedique muito e cada vez mais a abordar esse tipo de tema na página.

– Como está a página hoje em dia? Como ela funciona?

Temos uma organização empresarial na página! Levo isso muito a sério, pesquisamos sobre os temas postados, temos um horário estipulada, o Rodrigo posta na parte da manhã até às 14:00 e eu sigo das 14:00 às 23:30 normalmente), temos dias de folga, programações especiais e normalmente um intervalo entre uma postagem e outra de 30 minutos, todo esse cronograma e essa organização são essências para que os leitores se sintam bem e possam desfrutar melhor da page.

Anúncios